Archive for the 'Ecologia' Category

Trilha Natural: sua criatividade na defesa do meio ambiente

setembro 22, 2007

Trilha naturalUm aparentemente insolúvel conjunto de desafios ambientais, incluindo o aquecimento global, a degradação de recursos naturais, a extinção de espécies animais e vegetais e a crescente deterioração da qualidade de vida, parecem exceder a capacidade da humanidade de enfrentar estas ameaças à vida em nosso planeta.

Mas, ao mesmo tempo em que representam sérias ameaças, estes desafios criam uma profusão de oportunidades sob a forma de demandas por novas tecnologias, novos produtos, novos processos e de mudanças nos nossos hábitos. Estes desafios estão exigindo uma profunda mudança de mentalidade, tanto no nível individual, quanto no âmbito das empresas e dos governos.

A Trilha Natural (Natural Step)

Todos concordamos que há muito a fazer, mas como orientar essas mudanças? Esta é uma pergunta fundamental, pois os recursos são escassos e o tempo nos foge. Não há mais muito espaço para tentativas e erros. Muitas organizações e indivíduos têm procurado respostas para esta questão e uma das mais consistentes foi elaborada pelo médico sueco Karl-Henrik Robert, criador do Natural Step (Trilha Natural). Baseada nas leis da física e de sistemas naturais, a Trilha Natural, fornece uma sólida base científica para o desenvolvimento de consenso em torno de princípios fundamentais de sustentabilidade, que são inegociáveis. Isto significa que a violação dos quatro princípios básicos resulta na violação das leis naturais básicas, tornando insustentável a sociedade humana. Adicionalmente, a observância destes quatro princípios ajudará na reversão dos danos causados pelas gerações anteriores.

Em outras palavras, os quatro princípios ajudam as organizações a entenderem as conseqüências de suas escolhas sobre os sistemas sociais e ecológicos no estágio de planejamento, ao invés de lidar com os impactos negativos mais tarde, quando se torna muito tarde para se fazer algo.

Os quatro princípios da sustentabilidade

Na linguagem da Trilha Natural, os quatro princípios são designados condições sistêmicas (system conditions). Os três primeiros definem as condições para a manutenção dos processos ecológicos essenciais. O quarto focaliza as questões sócio-econômicas e afirma que a atenção às necessidades humanas globais é uma parte integral e essencial da sustentabilidade. As condições sistêmicas para uma sociedade sustentável são:

  1. A natureza não esteja sujeita ao crescimento sistemático de concentrações de substâncias extraídas da crosta terrestre. Isto significa substituir certos minerais que são escassos na natureza por outros que são mais abundantes, usando todos os minerais de forma eficiente e reduzindo sistematicamente a dependência de recursos não renováveis.
  2. A natureza não esteja sujeita ao crescimento sistemático de concentrações de substâncias produzidas pela sociedade. Isto significa a substituição sistemática de certos produtos não naturais e persistentes por outros que são naturalmente abundantes ou que se degradam mais facilmente, e usando mais eficientemente todas as substâncias produzidas.
  3. A natureza não esteja sujeita ao crescimento sistemático da degradação por meios físicos. Significa a extração de recursos somente de ecossistemas bem manejados, seguindo sistematicamente o uso mais produtivo e eficiente destes recursos e adotando a máxima cautela em todo tipo de modificação da natureza.
  4. Nesta sociedade, as pessoas não estejam sujeitas a condições que sistematicamente corroem a capacidade de satisfazer suas necessidades. Significa verificar se nosso comportamento e ações têm conseqüências para as pessoas, agora ou no futuro, que restringem suas oportunidades de viverem de forma digna e de satisfazerem suas necessidades básicas. Esta verificação pode ser feita perguntando a nós mesmos se gostaríamos de nos sujeitar às condições que nós criamos.

Assim, o propósito de sustentabilidade pode ser atingido pela verificação dos impactos de nossas atividades sobre as quatro condições sistêmicas. Uma organização sustentável, ou que pretenda se tornar sustentável, deve estar apta a responder “sim” às seguintes questões:

  • Sua organização reduz sistematicamente sua dependência de substâncias extraídas da crosta terrestre?
  • Sua organização reduz sistematicamente sua dependência de substâncias artificiais produzidas pela sociedade?
  • Sua organização otimiza sistematicamente o manejo dos ecossistemas de forma a preservar a produtividade, a integridade e a diversidade da natureza?
  • Sua organização otimiza sistematicamente as conseqüências de suas atividades sobre a qualidade de vida das pessoas?

Em muitos casos, a resposta positiva requer a inovação de produtos e processos, bem como mudanças radicais de valores, atitudes e hábitos. Requer uma mudança de mentalidade, uma perspectiva diferente para olhar e avaliar os processos de trabalho e os produtos que entrega à sociedade. Para superar as deficiências, teremos de superar os bloqueios mentais que nos dizem que:

  • pouco ou nada podemos contribuir para eliminar os problemas ambientais;
  • isto não é nosso problema, ou não é uma prioridade;
  • isto só vai aumentar nossos custos e reduzir nossa competitividade;
  • é impraticável qualquer mudança em nossos processos e produtos.

Ecologia rima com economia

As organizações que colocaram sua criatividade coletiva a serviço da sustentabilidade têm mostrado que ecologia rima com economia. A sustentabilidade está associada à eliminação de desperdícios e ao uso racional de materiais, energia e tempo. Estudos em diversos setores relatam aumentos de produtividade e reduções de custos variando na faixa de 10% a 30%, ou mesmo superiores.

O desafio da sustentabilidade apresenta um grande leque de oportunidades para as pessoas criativas e organizações inovadoras. Há oportunidades no nível individual, como mudanças nos hábitos de consumo e cuidados com os resíduos domésticos. No âmbito das empresas, há inúmeras oportunidades, como a economia de energia e água, a eliminação de desperdícios, a substituição de recursos naturais escassos e não renováveis e o redesenho de seus produtos para reduzir os impactos ambientais em todo o ciclo de vida desses produtos.

Se gostou deste artigo,ou para receber novas publicações.

Anúncios