Como líderes inovadores tratam as idéias criativas

junho 8, 2007

Você já deve ter presenciado esta cena várias vezes: alguém apresenta uma nova idéia, cheio de entusiasmo, e as cabeças começam aIdeias perdidas balançar negativamente, murmurando “Não! Não! Não!”. Mais uma idéia é liquidada, sem maiores preocupações em examinar seus méritos. Ela é simplesmente fuzilada por causa de um aspecto que a torna impraticável na opinião dos avaliadores. Nenhuma tentativa é feita para trabalhar a idéia, explorar seus pontos positivos e neutralizar seus pontos negativos.

Esta é uma situação muito comum em todas as organizações; diariamente milhares de idéias são jogadas fora sem a consideração de suas possibilidades. O aspecto mais trágico desta atitude é que ela acaba por inibir as cabeças pensantes da empresa. Para cada idéia criativa descartada, há um criador de idéias imaginando se vai se arriscar a oferecer outras.

Em situações semelhantes, você pode agir como um coveiro ou como um jardineiro. O coveiro trata de enterrar a nova idéia o mais fundo possível, de forma que ela não volte a incomodá-lo. O coveiro de idéias tem o hábito de examiná-las com base na sua viabilidade imediata e descartar todas as que apresentem qualquer indício de dificuldades na sua adoção.

O jardineiro sabe que a semente de toda inovação é uma idéia altamente especulativa, e inacabada, que precisa ser trabalhada par se tornar viável e prática. Pela sua própria natureza, quanto mais ambiciosa a idéia, mais frágil ela se apresentará, mais falhas terão que ser corrigidas. É importante reconhecer que na medida em que você afasta os obstáculos, isto é, constrói a viabilidade da idéia, você está modificando-a, ou mesmo transformando-a. O resultado final pode ser bem diferente da idéia original. Isto é a verdadeira natureza do desenvolvimento de idéias. Não há nada de errado neste processo, desde que o produto final seja reconhecido como valioso, útil e viável. Neste caso, o valor da idéia original está no seu papel de gatilho do processo de inovação.

A beleza desta abordagem é que ela permite que você comece com uma idéia muito nova e fresca e não se deixe cegar pelos seus inevitáveis defeitos. Como você tem os meios de construir sua viabilidade de forma sistemática, há mais liberdade em usar sua imaginação para melhorá-la ou mesmo transformá-la. Neste processo de desenvolvimento de idéias, o jardineiro percorre uma trilha de cinco etapas.

Avaliação e desenvolvimento de idéias com mente aberta

Etapa 1: Diga simplesmente “talvez”

Segure o primeiro impulso de dizer “não”. A negativa corta todo um mundo de possibilidades. Nesta etapa você deve dizer a si mesmo que, dada à nova idéia uma atenção construtiva, ela pode mostrar seus méritos e se tornar muito valiosa.

Etapa 2: Encontre os positivos

Articule aqueles aspectos e características da idéia que são positivos, mesmo que você não a aprove na sua totalidade. Tente ser específico sobre os pontos positivos. Esta é uma etapa importante, pois estabelece uma atitude mental diferente da atitude típica da resposta “aqui está o que esta idéia tem de errado”. Esta atitude construtiva cria uma chance da nova idéia viver um pouco mais e revelar um surpreendente número de características positivas que, de outro modo, não seriam percebidas.

Etapa 3: Identifique os problemas a solucionar

Considere que os aspectos negativos são obstáculos a serem superados, e não razões para descartar a nova idéia. Tenha em mente que, na vida de uma nova idéia, este é o momento mais vulnerável e uma abordagem negativa certamente a matará prematuramente. Não se trata de negligenciar os aspectos negativos associados à idéia, mas sim de mantê-la viva pela clara identificação de medidas a serem tomadas para neutralizar estes aspectos negativos. Por exemplo:

“É muito caro. Não podemos fazer isto dentro do nosso orçamento”.

Torna-se em:

“Vamos ver se podemos fazê-lo a um custo menor”.

Todas as duas declarações tocam a questão dos custos. A primeira fecha as portas, a segunda a deixa aberta e convida os solucionadores de problemas a continuar seu trabalho.

Etapa 4: Gere idéias para remover os obstáculos

Concentre-se primeiro no problema mais difícil e gere idéias específicas para removê-lo. Comece pelo obstáculo mais desafiador, pois, com muita freqüência, os outros são derivados deste problema maior; resolvendo o maior, você estará resolvendo os outros também. Continue removendo os obstáculos remanescentes, até que você tenha desenvolvido um conceito que possa ser considerado viável e valioso.

Etapa 5: Crie um plano de ação

Articule ao novo conceito que você desenvolveu, certificando-se de ele inclui todos os elementos que você incorporou para torná-lo viável e acionável. Liste as medidas necessárias para realizar a implementação.

Com estes simples cinco passos, você não só resolveu um problema crônico. O mais importante é que você deixou claro para sua equipe que valoriza suas contribuições e sabe como tratar suas idéias de forma construtiva. É através de gestos concretos como este que a empresa se mostra verdadeiramente receptiva às pessoas criativas e as estimula a continuar pensando.

Artigos relacionados:

Bloqueios à criatividade

Criatividade e motivação

Preconceitos: como exterminar idéias no berço

Como selecionar suas melhores idéias

Se gostou deste artigo,ou para receber novas publicações.

Anúncios

6 Respostas to “Como líderes inovadores tratam as idéias criativas”


  1. Olá Jairo. Muito bom o artigo. Inseri o feed em meu blog http://www.rprota151.blogspot.com

    Forte Abraço

    Rosemar Prota.

  2. Charles Leitao Ramos Says:

    Amigo Jairo

    Excelente matéria ! Parabens mais uma vez por nos proporcionar mais este aprendizado

    Sucesso !

  3. Carmem Osterno Says:

    Oi amigo, bom dia!

    Mais uma excelente materia para ampliar a nossa visão gerencial.
    Estou com saudades do grupo do IBQN, espero reencontrá-los em breve.
    Um abraço,
    Carmem Osterno


  4. Penso que com tanto material que elaboro para os meus cursos, não falo sobre eles na Internet.
    Na minha opinião o elemento mais estimulador para o desenvolvimento da criança sobre vários aspectos é a relação “Ser que Ensina e Ser que Aprende”. Inclusive, tenho um livro publicado na Editora Vetor/SP, sob o enfoque Psicopedagógico. Tenho testes nesta área e terminei Ansiedade e fobia Social, assim como o de Hipnose Ericksoniana.
    Mas, adoro a educação, estou planejando elaborar um material de estimulação, a partir dessas maravilhosas teorias que publicam. Estes textos são fenomenais e sõ frutos de uma mente privilegiada.
    Drª Leila Sara
    Drª Leila Sara


  5. Sara,

    Você tem sido muito gentil e encorajadora nos comentários sobre meus artigos, muito obrigado. Sempre adorei aprender e cheguei a conclusão que uma das melhores maneiras de aprender é ensinar. O processo de comunicar o conhecimento nos obriga a organizá-lo, a refletir e a descobrir conexões que normalmente nos passam desapercebidas.

  6. Sandra Mônica Winkelmann Says:

    JAIRO: MAIS PESSOAS DEVERIAM TER A POSSIBILIDADE DE ACESSO AOS SEUS ARTIGOS.

    PARABÉNS,

    SANDRA MÔNICA


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: